Conferência Internacional Turismo Baseado na Natureza

Aos 25/05/2018

República de Moçambique

COMUNICADO DE IMPRENSA 

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL
TURISMO BASEADO NA NATUREZA

 

Lançada esta tarde, numa conferência de imprensa, em Maputo a Conferência Internacional Turismo Baseado na Natureza, um evento anual que decorre pela primeira vez em Moçambique nos dias 7, 8 e 9 de Junho próximo.

A conferência realiza-se de forma rotativa entre os países membros da Global Wildlife Program, uma parceria global liderada pelo Banco Mundial, que promove a conservação da natureza e o desenvolvimento sustentável, combatendo o tráfico ilícito de vida selvagem.

“Pretende-se debater assuntos globais ligados ao desenvolvimento do turismo de natureza nas áreas de conservação. Pretendemos também juntar individualidades, especialistas e parceiros de conservação, onde iremos discutir e aprender experiências e boas práticas na região e no mundo”, disse Nilza Chipe, Assessora de Comunicação no Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (MITADER), um dos co-organizadores da conferência juntamente com o Ministério da Cultura e Turismo.

De acordo com os organizadores, esta conferência está alinhada com a política do Governo de desenvolver o turismo baseado na natureza, fortalecendo o papel das áreas de conservação na geração de receitas para o País e no desenvolvimento das comunidades.

Neste evento, que é uma das maiores conferências mundiais sobre a conservação da vida selvagem, Moçambique tem uma oportunidade de apresentar o ambiente facilitador de investimentos no turismo de conservação, partilhar a experiência nacional na transformação das áreas de conservação em bens turísticos sustentáveis bem como ouvir experiências dos outros países na gestão da biodiversidade.

“Será um marco no renascimento das áreas de conservação em Moçambique, considerando a riqueza da nossa biodiversidade e das paisagens. Vamos poder partilhar com o mundo inteiro o rico capital natural, atraindo assim investimentos para as nossas áreas de conservação”, concluiu Nilza Chipe.

 

Maputo, aos 24 de Maio de 2018